Celular mostrando métricas de alcance de uma conta do Instagram na tela
Fonte: Georgia de Lotz/Unsplash

Em junho de 2021, o Instagram publicou um guia explicativo sobre os fatores que constituem o alcance de posts do Feed, Stories e Reels.

Na última terça-feira, a rede social retomou alguns desses pontos e criou resumos que podem ser facilmente acessados em qualquer estágio da estratégia de conteúdo.

Existem muitos mal-entendidos por aí, e nós reconhecemos que podemos fazer mais para ajudar as pessoas a entenderem o que fazemos. […] Esse primeiro post tenta responder perguntas como “Como o Instagram decide o que aparece para mim primeiro?”; “Por que alguns dos meus posts recebem mais visualizações do que outros?”; e “Como o Instagram decide o que me mostrar na aba de Explorar?”.

“O algoritmo”

Muitas vezes, nos referimos ao sistema por trás do Instagram como “o algoritmo”. Mas essa é uma visão simplista, porque o que realmente existe é um conjunto de algoritmos, classificadores e processos, cada um com uma função específica.

Segundo o Instagram, a necessidade de criar um método de seleção surgiu a partir do fluxo ininterrupto de conteúdo que começou a ser compartilhado no app.

Quando o aplicativo foi lançado, possuía apenas o Feed em ordem cronológica. À medida que usuários começaram a postar cada vez mais, as pessoas acabavam não vendo 70% do conteúdo de seus amigos e familiares.

Sendo assim, o objetivo desse sistema é “classificar posts baseados no que você mais se importa”, de acordo com Adam Mosseri, Head do Instagram.

Vale sinalizar que há 4 sinais parecidos para cada tipo de conteúdo: informação sobre o post e a pessoa que postou, a sua atividade, e o seu histórico de interação. O que muda é a relevância de cada um e algumas características detalhadas, que veremos a seguir.

Classificação de Feed e Stories

Para posts do Feed e Stories, a ordem dos quatro fatores que compõem é a seguinte, de acordo com o Instagram:

  • Informações sobre o post: esses são sinais sobre o quão popular um post é, como quantas pessoas curtiram, e outras informações mais mundanas sobre o conteúdo em si, como a data de publicação, a duração (se for um vídeo), e se havia uma localização definida.
  • Informações sobre a pessoa que postou: isso nos ajuda a entender o quanto a pessoa que postou pode ser interessante para você, e inclui sinais como quantas pessoas interagiram com aquela pessoa nas últimas semanas.
  • Sua atividade: isso nos ajuda a entender o quanto você pode se interessar no conteúdo e inclui sinais como quantos posts você curtiu.
  • Seu histórico de interação com alguém: isso nos dá uma noção do quão interessado você geralmente é em ver posts de uma pessoa específica. Um exemplo é se vocês comentam nos posts uma da outra.
Infográfico mostrando os 4 fatores que ajudam a definir a classificação do Feed e Stories do Instagram
Fonte: Instagram/Twitter

A partir dessas informações preliminares, o Instagram tenta fazer previsões relacionadas às suas ações com cada tipo de conteúdo.

Para posts do Feed, as interações têm bastante peso. Ou seja, o “algoritmo” leva em consideração qual é a probabilidade de você ficar poucos ou muitos segundos interagindo com uma foto, deixar um comentário, curtir, salvar ou acessar o perfil de quem postou.

Teoricamente, a regra é simples: quanto mais altas as possibilidades de interação, com mais prioridade você verá o post.

Classificação de Explorar

A seção de Explorar traz conteúdos de contas que você não segue, mas que o Instagram acredita que possa gostar. Sendo assim, o primeiro passo é encontrar posts nos quais você pode estar interessado. Para isso, o Instagram usa como base os que você curtiu, salvou e comentou no passado.

Depois, esses conteúdos são classificados para ordem de aparição, similarmente aos posts de Feed e Stories. De acordo com o Instagram, os fatores são:

  • Informações sobre o post: aqui, estamos olhando para o quão popular um post parece ser. Esses são sinais de quantas pessoas estão curtindo, comentando, compartilhando e salvando um post, e o quão rápido elas estão fazendo isso. Esses sinais importam mais no Explorar do que no Feed ou Stories.
  • Seu histórico de interação com a pessoa que postou: muito provavelmente, o post foi compartilhado por alguém que você nunca ouviu falar. Entretanto, se você ouviu falar deles, isso nos sinaliza que você pode estar interessado no que eles compartilharam.
  • Sua atividade: esses são sinais como os posts que você curtiu, salvou ou comentou, e como você interagiu com os posts no Explorar no passado.
  • Informações sobre a pessoa que postou: esses são sinais como quantas vezes as pessoas interagiram com aquela pessoa nas últimas semanas, para ajudar a achar conteúdo relevante de uma grande variedade de pessoas.
Infográfico mostrando os 4 fatores que ajudam a definir a classificação do Explorar do Instagram
Fonte: Instagram/Twitter

Por fim, o Instagram sinalizou que existem recomendações mais sólidas quanto a conteúdos problemáticos no Explorar, uma vez que a seção promove a descoberta de novos posts.

Classificação do Reels

A classificação de conteúdo do Reels se assemelha ao Explorar. Afinal, a maior parte dos vídeos que você vê não são de pessoas que você seque. A diferença é que o principal objetivo do Reels é o entretenimento, o que é atingido através da provocação de alguma emoção.

Sendo assim, o Instagram tenta priorizar contas menores e levar em consideração fatores que sinalizam a capacidade de divertimento de um conteúdo.

Alguns exemplos são a probabilidade de que você vai assistir um vídeo até o final, curtir, ou ir para a página do áudio. O último é entendido como um sinal de que você se inspirou a criar seu próprio Reel. Sendo assim, a ordem de importância é a seguinte:

Infográfico mostrando os 4 fatores que ajudam a definir a classificação do Reels do Instagram
Fonte: Instagram/Twitter
  • Sua atividade: olhamos para coisas como quais Reels você curtiu, comentou ou se engajou recentemente. Esses sinais nos ajudam a entender que tipo de conteúdo pode ser relevante para você.
  • Seu histórico de interação com a pessoa que postou: como no Explorar, é provavel que o vídeo tenha sido feito por alguém de quem você nunca ouviu falar. Entretanto, se você já interagiu com essa pessoa no passado, isso nos sinaliza o quanto você pode estar interessado no que eles compartilharam.
  • Informações sobre o Reel: esses são sinais sobre o conteúdo do vídeo, como a faixa de áudio, o entendimento da parte visual baseado em pixels e frames, e a popularidade.
  • Informações sobre a pessoa que postou: nós consideramos que a popularidade ajuda a encontrar conteúdo relevante de uma grande variedade de pessoas e dar uma chance para todos encontrarem seu público.

Por fim, os Reels também são similares ao Explorar no que tange às recomendações de conteúdo. Ou seja, temas problemáticos terão alcance prejudicado.

Conclusão

Com essa retomada sobre os fatores que compõem a distribuição de conteúdo, o Instagram objetiva trazer mais transparência para o processo de uso da rede social.

Isso vem em um momento oportuno, uma vez que creators e empresas dependem cada vez mais da plataforma para sua subsistência. Ao mesmo tempo, esse público sofre com um alcance cada vez mais baixo, uma vez que o Instagram diz priorizar conteúdo de pessoas que os usuários conhecem.

Leia a thread completa e salve em seus favoritos aqui!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Assine nossa Newsletters

Receba semanalmente as principais notícias e conteúdos sobre Marketing Digital.

Você pode gostar disso